“Interpretar a santa patrona da JMJ mudou a minha vida”

Música para romper barreiras
setembro 17, 2018
La Pintada comemora o encontro paroquial juvenil
setembro 20, 2018

“Interpretar a santa patrona da JMJ mudou a minha vida”

A atriz Milagros López Arias nos oferece seu emotivo depoimento, sobre como interpretar a uma das santas patronas da Jornada Mundial da Juventude, Santa Rosa de Lima, mudou a sua vida e a levou aos pés de Jesus.
“Sou Milagros López Arias e represento a Santa Rosa de Lima há três anos. É uma honra para mim interpretar uma figura tão importante por tudo o que significa seu depoimento para a nossa Igreja. Dar vida à Santa de Lima é muito gratificante, pois sinto que desde que comecei a interpretá-la, ela trabalha em mim a cada dia da minha vida. Sinto que me acompanha, sempre me cuida e me protege.
Antes de fazer seu papel não era muito devota, mas ela me fez um milagre. Meu pai esteve por quase cinco meses entubado num hospital e com um respirador artificial. Os médicos não nos davam muitas esperanças e me lembro que em agosto, um jornal fez uma nota comigo representando a santa Rosa com uma linda foto - capa de toda a página. Eu levei o jornal e o preguei na cabeceira de sua cama no hospital, pedindo à santa Rosa que o ajudasse e fizesse um milagre para mim e ela o fez. Isso já faz três anos e até hoje em dia, meu pai goza de uma saúde plena. Isto eu agradecerei para sempre, porque não tenho dúvida que ela fez o milagre.
Além disso, me levou a ganhar os Prêmios Ace de Nova York. Para todo ator ou atriz, receber um prêmio nesta cidade, é um sonho máximo e conseguimos isso trabalhando com muito amor e devoção à santa Rosa. Os prêmios Ace de Nova York são os “Oscar´s latinos” e obtive o prêmio por tê-la interpretado na minissérie que foi passada na EWTN.
Em uma das gravações, uma das atrizes me disse “… O casting não escolheu você, foi a Santa Rosa quem te escolheu…” palavras que me emocionaram muito e sempre as repito, porque acredito que foi assim. Desde que a interpreto, minha vida mudou radicalmente. A cada dia experimento fortemente a compaixão que ela teve e, por isso, sempre tento ajudar os demais e fazer o bem sem hesitar. Ela fez isso com o meu pai! E graças a ela creio que tenho crescido como ser humano.