Uma vez um peregrino, sempre um servo

Jovens Brasileiros se mobilizam para participar da Jornada Mundial da Juventude 2019
agosto 10, 2018
Santa Rosa de Lima “Primeira Flor de Santidade da América”
agosto 23, 2018

Uma vez um peregrino, sempre um servo

Retornemos ao ano de 1987. Nesse tempo, Adolfo Araúz Sánchez tinha 26 anos e pela primeira vez participava de uma Jornada Mundial da Juventude. Buenos Aires – “A Cidade da Fúria” – acolheu a ele e a outros sete membros da Comissão Nacional de Pastoral Juvenil, que aceitaram com alegria o desafio de serem os primeiros Panamenhos em uma JMJ.
Ao chegar na Argentina, os peregrinos encontraram um país que acabava de sair de uma ditadura militar, que havia deixado um vazio espiritual em seus jovens, além de muitas feridas abertas, e que por isso viam a JMJ como uma chama de esperança.
Enquanto o então professor de biologia vê com saudades as fotos que retratam sua experiência, sorri e se pergunta se o Papa João Paulo II um dia imaginou que o Panamá sediaria alguma vez uma Jornada Mundial da Juventude.
“Quando entendi que minha cidade seria a próxima sede da da Jornada em 2019 me senti comovido porque sabia que o Papa Francisco havia escolhido o Panamá para que muitos jovens que não tem condições econômicas tivessem a oportunidade de viver esta experiência”.

O Caminho do Peregrino

A JMJ de Buenos Aires foi o início de uma peregrinação para Adolfo Araúz, que teve a oportunidade de participar de outras duas Jornadas: em Roma no ano 2000, onde liderou a delegação panamenha e em Toronto em 2002, onde foi a primeira vez que uma delegação de peregrinos do Panamá se preparou por mais de um ano, seguindo um planejamento especial para acompanhar e viver essa experiência na sua plenitude.
Depois de todas as suas experiências participando das Jornadas Mundiais da Juventude, a trajetória de Adolfo Araúz se torna algo de grande valor e que por esse motivo ele está compartilhando suas recordações e vivências com a equipe que serve na atual Direção Pastoral da JMJ 2019. Junto a esta equipe preparou as cartilhas que compõem as 12 Catequeses Preparatórias à JMJ, tarefa que o enche de orgulho, já que o Ministério da Educação do Panamá deu o aval para que esta cartilha integre como um texto válido para as aulas de religião a nível nacional.
É claro na experiência de Adolfo que existe um antes e um depois da JMJ, ele sabe que cada peregrino e voluntário que participa passa por uma transformação positiva e,assim, ele espera que a juventude panamenha possa viver essa mudança de vida.